25 julho 2012

La Doce: A Explosiva História da Torcida Organizada Mais Temida do Mundo

Deu no BLOG DO MENON
“La Doce” livro escrito pelo jornalista argentino Gustavo Grabia, está chegando ao Brasil, lançado pela Panda Books. O livro disseca, com números, dados e entrevistas, a história de “La Doce” a torcida do Boca Jrs, a mais violenta entre todas as “barras bravas” que chegaram, a um certo momento, em colocar em dúvida o futuro do futebol argentino.
Mais do que a história de La Doce, Grabia traça um painel da violência no futebol da Argentina, fixando 1925 como o ano da primeira morte, quando torcedores da seleção argentina enfrentaram uruguaios torcedores da Celeste, em Montevidéu.
Ele narra a formação da La Doce e seu paulatino abraço à violência como um método de vida. Como os murros se transformaram em facadas e depois em tiros. Como à cessão de alguns ingressos por diretores, chegou-se a fornecimento de dinheiro vivo, ingressos para revenda, direito de revenda de souvenires do clube e de cobrar por estacionamento nas ruas próximas à Bombonera.
O livro mostra a força dos diretores de La Doce, que extorquiam jogadores e treinadores – poucos, como Barros Schelotto e Carlos Bianchi recusaram dar dinheiro aos hinchas – e como dirigentes e torcedores ilustres bancaram a ida dos torcedores para Copas do Mundo. E como lá,a violência manteve-se. Torcedores do Boc, aliados a escoceses e mexicanos, em batalha campal contra os hooligans. Mas também brigando contra os do Independiente, para conseguir o melhor lugar em campo.
O máximo da desfaçatez é quando La Doce se transforma em uma espécie de ONG para poder lavar todo o dinheiro – houve ano que chegou a 3,5 milhões de dólares – que conseguia.
Grabio traz também uma análise de toda a briga interna pelo poder dentro de La Doce, entre Quique, El Carnicero, Jose Barrita, El Abuelo, Mario Martin e Rafael di Zeo. Barrita, que já morreu, e Di Zeo estiveram presos. Di Zeo saiu e está em luta com Mario Martin pelo poder. A história não acabou e deverá ter novos capítulos sangrentos.
O livro tem ótimo prefácio de Mauro Cezar Pereira, da ESPN. Será lançado na próxima semana, por R$ 37,90. Gustavo Grabio estará no Brasil em 27 de julho para participar do congresso da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo.
Postar um comentário