25 setembro 2009

"Amália" e “Singularidades de uma Rapariga Loira”, no Festival de Cinema do Rio

"Amália" filme que retrata a vida da grande fadista Amália Rodrigues, do diretor portugues Carlos Coelho da Silva( o mesmo de "O Crime do Padre Amaro"), sera um dos quatros filmes Lusos que sera apresentados na 11ª edição do Festival de Cinema do Rio.
E abaixo leia sobre um dos maiores do cinema Mundial, o portuga Manoel de Oliveira que la estara apresentando o seu mais recente trabalho. Manoel de Oliveira tem somente, 100 anos de idade!










Mais do Festival de Cinema do Rio. Do Portal IG

O primeiro destaque desta sexta-feira (25) vai para “24 City”, documentário recente do grande realizador chinês Jia Zhang-Ke, que competiu no Festival de Cannes 2008. O longa só será exibido em três dias do início do festival (25, 26 e 28 de setembro) e vale a pena conferir a forma sempre sensível e bem feita com que Zhang-ke filma as transformações da China.




Com vinda confirmada ao Rio de Janeiro, a importante diretora belga Agnès Varda terá seu novo filme exibido também a partir de hoje. O simpático documentário autobiográfico “As Praias de Agnès” é um quebra-cabeça autoral que dispõe de vários tipos de registro: fotografias, reencenações, pedaços de filmes. Encantada com as facilidades da câmera digital, Agnès resolveu juntar os diversos fragmentos de sua memória para compor um criativo autoretrato.

Um dos maiores mestres do cinema mundial, Manoel de Oliveira é possivelmente o dono do filme merecedor do maior destaque do dia. Nascido em 1908, ele é hoje o mais velho realizador do mundo, aos 100 anos de idade. A primeira exibição do seu mais recente trabalho, “Singularidades de uma Rapariga Loira”, também acontece hoje. O longa marca o encontro do cineasta com outro grande nome das artes portuguesas: o escritor Eça de Queiroz. Oliveira mantém a média de um filme por ano e, como se não bastasse, suas obras continuam fascinantes e inspiradas, mantendo sempre um olhar jovial para o mundo.




Mesmo não sendo tão conhecida no Brasil, Claire Denis é uma das mais consagradas cineastas francesas da atualidade. “35 Doses de Rum”, seu penúltimo filme, participou da competição do Festival de Veneza do ano passado. Nesta homenagem ao mestre do cinema japonês Yasujiro Ozu, Denis une suas principais características, como a atenção aos corpos e olhares dos atores, revelando assim suas relações com o mundo e com os outros, à simplicidade e à calma de Ozu.

Embora o documentário “Os Tempos de Harvey Milk”, de Rob Epstein, seja originalmente uma produção de 1984, sua exibição no festival pode interessar àqueles que viram e se entusiasmaram recentemente com “Milk", longa de Gus Van Sant ganhador do Oscar de melhor ator (Sean Penn) e roteiro. Outro destaque do primeiro dia de festival é “Aconteceu em Woodstock”, novo longa de Ang Lee, que retrata de forma bem humorada os bastidores do festival de rock que influenciou toda uma geração.
Postar um comentário