14 outubro 2009

Tuna Luso 1 X 3 Palmeiras: Túnel do Tempo. ...

Somente de pensar que o futebol da Tuna Luso Brasileira pode virar poeira, sinto um puta frio nao espinha, a turma do MST tem usado algumas estrategias que incomodam, mas os caras seguem vivo. O casa do futebol no Souza e' muito emblematico .

Um sem terra tem sempre uma invasao por perto, aliados em todas as esquinas. Um sem clube ,jamais ira invadir cores alheias para se refugiar, hoje um adepto tunante e' um ser sozinho em sua luta de erguer a bandeira alvi verde.

Olhando para o passado, descubro que nao havia motivo algum para reclamar, estavamos sempre disputando os estaduais e nanico algum ficava zuando na relva cruzmaltina, eramos tranportiva mas e dai!! estavamos sempre nas disputas, tinhamos uma equipe cruz de malta a brigar no relvado.

Se as ausencias do futebol continuarem ano pos ano pelo Souza, corro um serio risco de me tornar um "sem time" e a um "sem time"somente resta recordar para poder viver.

Vai dai vou comecar a postar algumas coisas do tempo em que frenquetavamos a relva, havia empates, vitorias e derrotas. Mas para que isso acontecesse, jogavamos!


Resenha doJogo da Tuna Luso contra o Palmeiras de Wagner Love na Copa do Brasil em uma (quarta-feira de 4 de fevereiro de 2004)

O Palmeiras está classificado para a segunda fase da Copa do Brasil. Na noite desta quarta-feira, em Belém, o time paulista venceu a Tuna Luso-PA por 3 a 1. Com a vitória por dois gols de diferença, eliminou a partida de volta, que aconteceria no próximo dia 18.


Os gols da vitória foram marcados por Vágner, duas vezes, e Muñoz. Agora, o Palmeiras espera o vencedor de Figueirense-SC e São Gabriel-RS na segunda etapa da competição nacional. Nesta quarta, gaúchos e catarinenses empataram por 2 a 2.

O maior adversário do Palmeiras durante a partida foi o próprio Palmeiras. Diante de um adversário frágil, exagerou nos erros de passes e finalizações e demorou para abrir o placar em Belém. Acuada e limitando-se a marcar, a Tuna Luso segurou o adversário enquanto este parecia não estar muito interessado em jogar.

A primeira boa chance palmeirense, no entanto, veio logo aos quatro minutos. Baiano cobrou escanteio da direita e Nen, que substituiu Leonardo, machucado, cabeceou firme. André Luís fez boa defesa e, no rebote, Kevison afastou a bola para fora.

O Palmeiras seguiu marcando presença no campo de ataque, mas mostrando certa displicência, principalmente na defesa. E aos oito, a Tuna quase fez o seu. Gláuber saiu jogando errado e Joaci dominou de frente para Marcos. Porém, ele mandou longe da meta alviverde.


Sempre com maior posse de bola, o Palmeiras foi ganhando espaço. Aos 34 minutos, Lúcio tocou para Vágner dentro da área. Ele girou, colocou a bola entre as pernas de Edson e bateu na trave esquerda de André Luís. Por pouco, o artilheiro não marca um golaço.

O gol palmeirense só saiu aos 43. Desta vez, Vágner não desperdiçou. Lúcio triangulou com Diego Souza pela esquerda e cruzou. O camisa nove do Palmeiras entrou de carrinho dentro da pequena área e completou para o fundo das redes da Tuna Luso.

Apesar da vantagem no placar, o Palmeiras continuou jogando desinteressado e em ritmo lento na volta do intervalo. A equipe paraense, que até então mostrava certa timidez ofensiva, resolveu ir para cima. E a Tuna não demorou para obter resultados concretos.

Aos doze minutos, após cobrança de falta da esquerda na grande área, Tarubá cabeceou livre e empatou o jogo. O zagueiro não encontrou dificuldades para mandar a bola no ângulo esquerdo de Marcos
A má atuação do time fez o técnico Jair Picerni mudar a equipe logo após o gol. No lugar de Elson, o treinador colocou o meia Pedrinho


A alteração, porém, pouco mudou o time. Quando tinha a bola, os paulistas até tentavam chegar em condições de marcar. Porém, os atacantes encontravam poucos espaços na defesa paraense. Pedrinho deu maior criatividade ao meio-campo, mas o time não colaborava.


No sistema defensivo, as mesmas falhas de outras partidas tornaram-se evidentes. Muito inseguros, Nen e Gláuber fizeram o Verdão correr riscos no Mangueirão. A frágil Tuna Luso quase surpreendeu.

Porém, a maior qualidade da equipe palmeirense acabou prevalecendo. Mesmo sem fazer uma grande partida, longe disso, os visitantes conseguiram garantir a vitória. Aos 27, Lúcio cruzou da esquerda, André Luís saiu mal e Vágner cabeceou para fazer 2 a 1.
Após marcar, o Palmeiras encontrou mais facilidades. E garantiu sua classificação no minutos finais. Aos 36, Lúcio cobrou lateral para Muñoz, que invadiu a área pela esquerda e tocou no canto esquerdo de André Luís. Nos acréscimos, o mesmo colombiano ainda perdeu grande chance ao sair na cara do gol e mandar longe da meta da Tuna.



FICHA TÉCNICA:




TUNA LUSO (PA) 1 X 3 PALMEIRAS (SP)



Estádio: Mangueirão, em Belém (PA)

Data - Hora: 04/02 - 21h:40m

Árbitro: Orlando Carlos dos Santos

Gols: Vagner, aos 45min do primeiro tempo; Tarubá, aos 12min, Vagner, aos 30min e Muñoz, aos 38min do segundo tempo

Cartões Amarelos: Élson (PAL) e João Luis (TUN)



TUNA LUSO: André Luis; Adelson, Édson, Tarubá e Enilson (Tarcísio); João Luiz, Flamel, Marçal e Joacir; Beto e Preto (Landú). Técnico: Carlos Alberto Lucena



PALMEIRAS: Marcos; Baiano, Leonardo, Gláuber e Lúcio; Corrêa, Magrão, Élson (Pedrinho) e Diego Souza; Vágner e Muñoz. Técnico: Jair Picerni












.





.
Postar um comentário