10 setembro 2010

Duplas "café com leite"

colado do Redação Portal ORM
Na semana em que é comemorado o Dia da Raça, a mistura entre pessoas com pele clara e pessoas com pele escura também é destacada no futebol. Aliás, ao menos para os goleiros, ter uma zaga no estilo 'café com leite' tem sido uma espécie de trunfo.


Ao menos de forma não proposital, duplas assim têm sido sinônimo de segurança. O que falar do branco Lúcio e o negro Juan na seleção? Eles estão entre os poucos que passaram pela Copa 2010 sendo elogiados. Porém, veio a renovação de Mano Menezes e... o moreno claro Thiago Silva foi colocado com o branco David Luiz para assumir o posto com a amarelinha.


Que digam os times com as zagas menos vazadas das Séries C e D do campeonato brasileiro, onde estão os paraenses Águia, Cametá, Paysandu Remo e São Raimundo. Criciúma, na C, além de Santa Cruz e Operário, na D, só levaram três gols até hoje na competição e a zaga... É misturada!


No caso do auri-negro catarinense, Rogélio e Nino são um dos responsáveis para que o time, que marcou apenas seis gols em dez jogos, conseguisse se manter na liderança do grupo D da Série C.




Já na Série D, além do Operário, o Santa Cruz é a grande estrela entre as defesas. Isso por conta de Leandro Cardoso e o jovem Menezes, que, apesar de já contabilizarem um jogo a mais que o Criciúma, mantiveram a quantidade de gols tomados.



Paraenses - Mas quem disse que ter uma zaga 'café com leite' não se adequa à terra do açaí? Entre os cinco times paraenses que estavam na disputa pelo Brasileirão, somente Águia, Paysandu e Remo ainda podem sonhar com título e depositam as esperanças também em suas zagas.


No Águia, que precisa vencer todos os seus jogos e torcer por tropeços do Fortaleza para se classificar à segunda fase da Série C, a mistura é extensa. Afinal, são três zagueiros em campo. O caucasiano Bernardo, o moreno claro Darlan e o moreno Edkléber são os nomes que defendem o gol defendido por Alan.


No já classificado Paysandu, o negro Paulão e o moreno claro Leandro Camilo são destaques alvi-celestes na competição por conta do 'jogo duro' e da média de gols tomados fixada em menos de um por jogo.




No Remo, após ter mantido uma zaga que conseguiu passar pela avaliação da torcida no Parazão, com o moreno Raúl e o caucasiano Pedro Paulo, passou por baixas e hoje tem o moreno claro, Ênio, como destaque ao lado de Pedro Paulo. Raúl sofreu uma hérnia inguinal da região do púbis ainda no mês de julho.


História - Aliás, falar de Remo e Paysandu sem lembrar fatos da tradição poderia ser considerada, inclusive, uma injustiça. Portanto, seguem duas das duplas de zaga que ficaram guardadas nas lembranças dos torcedores.


No Leão, o memorialista e conselheiro azulino, Orlando Ruffeil, citou o moreno claro Belterra e o negro Ney, tetra e penta campeões paraenses em 1996 e 1997, como a melhor dupla 'café com leite' do Remo.


Em dois anos jogando juntos, Belterra, conhecido pela sua extrema categoria e estilo de jogo sem muitas faltas, e Ney, a raça azulina marcada pelo cabelo vermelho que o rendeu o apelido de 'Sorvetão', levantaram dois troféus no Remo.


No Paysandu, entre os mais antigos e os mais novos, a dupla campeã do título da era mais vitoriosa do Paysandu ainda é uma unanimidade. O loiro Gino e o moreno escuro Sérgio foram bicampeões brasileiros da Série B e vencedores da Copa dos Campeões.


Portanto, na semana do Dia da Raça, o futebol prova que o respeito às diferenças raciais é algo que deve acontecer também nos demais 364 dias do ano.



Postar um comentário