04 junho 2011

A História de Parazinho

Texto: Carlos Fellip
Fotos: Arquivo pessoal
Vídeo: TV Tribuna

Do Portal ORM


Quem disse que a safra paraense parou de gerar craques? Após o já consagrado Paulo Henrique Ganso, além de Tiago Alves e Pará, chegou a vez de Marquinhos - ou somente Parazinho - brilhar em um time ligado ao Rei Pelé.


Parazinho, como é conhecido no futebol, é o atual camisa 11 do Jabaquara, time que foi alugado pelo Litoral - clube do Pelé. Aliás, Parazinho é um dos cinco paraenses formados no time praiano. Os demais são Ruan (sub-20); Pará e Rodrigo (sub-17); e Dedel (sub-15).


Atualmente, Parazinho, que chegou a trabalhar com o pai como ajudante de pedreiro, foi eleito o melhor jogador da última rodada da Série A2 do campeonato paulista em um clássico contra a Portuguesa Santista.


Em entrevista ao Portal ORM, Parazinho contou que sua vida mudou em menos de duas semanas por conta do futebol. Entenda abaixo o porquê!


'Sempre gostei de jogar bola e, aos 15 anos, pude entrar no time do Cruz Azul. Ainda no sub-15, fomos campeões paraenses e no ano seguinte chegamos ao bicampeonato. Mas, em uma das partidas, contra o Remo, a minha história como jogador profissional começou a acontecer. O jogo contra o Remo foi a partida preliminar do jogo da Série C contra o Ipatinga. O Mangueirão estava lotado, com mais de 45 mil pessoas, e fiz o gol da nossa vitória. Um olheiro da Inter de Limeira (SP) gostou de mim e me levou para o clube', conta.


Já na Inter de Limeira, Parazinho, ainda com 16 anos, foi integrado ao elenco sub-17 e, pouco tempo depois, promovido ao sub-20. A estreia como profissional aconteceu no ano seguinte, com 17 anos. 'Foi em um jogo contra o Flamengo de Guarulhos. O jogo foi 2 x 1 e o gol da vitória foi o meu. Fui abençoado por Deus!', lembra.


Com o destaque na Inter, Parazinho foi contratado, ainda com 17 anos, para disputar o sub-20 da Série A2 do campeonato paulista pelo Guarujá. Veloz e habilidoso, Parazinho chamou a atenção do Vitória (BA), mas foi quando aconteceu o que poderia ter sido o fim de mais uma carreira promissora. 'Fiquei no Vitória por seis meses, porque meu empresário estava me enganando. Tive que voltar para Belém com uma mão na frente e outra atrás', disse.


Sem clube, Parazinho chegou a fazer testes no Remo, 'mas, apesar de ter sido bem aprovado, não fui bem aproveitado. Não me davam o valor necessário'. Sem valorização, o destino foi o Paysandu. 'Fiquei pouco tempo por lá e acabei voltando para o Cruz Azul'. Já no sub-20, o jovem - já com 20 anos - chegou ao tricampeonato paraense, mas sem muita perspectiva no futebol.


A mudança - Voltado para os estudos e com a carreira de jogador profissional desacreditada, Parazinho voltou a encarar o futebol como lazer e foi assim que ele conseguiu realizar o sonho de criança.

'Um amigo meu é amigo do Zeca Madeireiro, que é um grande amigo do Manoel Maria (coordenador da categoria de base do Litoral - time de Pelé). O Zeca precisava de dois garotos para jogar no time de futebol pelada que ele tinha. Esse meu amigo me chamou para participar e acabei faltando nos primeiros jogos. Já no último, eu faltei a aula para jogar e o Zeca gostou do meu futebol. Ele conversou comigo e uma semana depois eu já estava em São Paulo para treinar no Jabaquara', contou em meio a risos.


A passagem antiga de Parazinho pelo campeonato paulista tinha até deixado frutos. 'Cheguei no Jabaquara e, antes mesmo de estrear, eu já tinha duas propostas, sendo uma de voltar para o Guarujá e outra para jogar na Portuguesa Santista. Eles disseram que tinham o interesse desde o tempo em que passei por lá, mas não conseguiram entrar em contato comigo porque eu acabei ficando sem empresário', explica.


Com uma semana de trabalho físico por conta do tempo sem treinar, o garoto paraense estreou no segundo tempo do jogo contra o Nacional (SP). 'Entrei como meia direita aos 30 minutos do segundo tempo e fiz o gol da vitória. Foi 3 x 2 para o Jabaquara', recorda.


A estreia como titular aconteceu no último domingo (29), contra a Portuguesa Santista - o mesmo jogo em que o camisa 11 foi eleito o melhor jogador da partida. 'Fui iluminado por Deus. Agradeço muito por ter feito o gol da vitória (o jogo foi 1 x 0). Mais um gol decisivo para o currículo (risos)', disse.

Assista este gol de Parazinho em uma reportagem especial da TV Tribuna!
video


Atualmente, Parazinho mora no apartamento de Zeca Madeireiro. 'Estou muito feliz aqui. Sou muito agradecido por tudo que o Zeca (Madeireiro) e Manoel (Maria) fizeram na minha vida. Tudo mudou... e para melhor! Hoje moro aqui com o Dedel e com o Ruan, além da tia Cléo e o marido dela, o Guga. Aqui é só paraense e tem muito açaí abençoado', disse e completou: 'Antes, eu ajudava minha família trabalhando com o meu pai em uma profissão que me orgulho muito, mas agora posso ajudar meus familiares sendo jogador de futebol'.

E aqui a triste História de Valdiran.Lembra dele? a bola nao para!
Postar um comentário