01 novembro 2011

Acapu e Maneca assistiram Tuna Luso 1 x 0 Ananindeua

Acapu e Maneca: história viva da Tuna.



Foto e texto de Marcos Moraes no sempre bom

Didascália

 

Não é de hoje que ex-atletas da Tuna Luso Brasileira quando surge oportunidade estão sempre presentes nos jogos da Lusa e dando sempre uma pasadinha pela sede do Clube. Nesta Primeira Fase do Campenato Paraense de 2012, este escriba já presenciou e conversou com vários deles como Maneca, Sarará, Chininha, Acapu, todos atletas que brilharam num passado já remoto, mas que o verdadeiros cruzmaltinos jamais esquecerão, mesmo que nossa geração só os conheçam através de documentos, histórias dos mais antigos ou mesmo pela boca desses eternos ídolos que, como dedicados jogadores que foram, continuam amantes das cores da Águia, ao ponto de sacrificarem-se para ver de perto os ídolos do presente num escaldante sol de verão.

Ontem este escriba conversou com alguns deles. O primeiro foi o ex-goleiro Sarará, hoje aos 84 anos, mas distribuindo saúde. Sarará, sempre brincalhão, disse que por um lapso da FPF não recebeu o troféu Belfort Duarte, honraria que os atletas que em 10 anos de atividades não são expulsos de campo. Disse ainda que em mais de 20 anos de profissão nunca foi expulso de campo "e me orgulho disso, graças a Deus", disse o ex-goleiro.

Ainda ontem conversamos com outros dois deles, que ao final do embate entre Tuna e Ananindeua, que a Águia venceu por 1 a 0, pararam para um refrigerante e uma troca de idéias sobre a Tuna. Maneca e Acapu, o primeiro com 79 e segundo com 80 anos, que juntamente com Sarará fizeram parte da equipe campeã da Tuna de 1955 e são hoje os únicos remanescentes, são grandes amigos e confessam que jamais esquecerão aquela equipe, tida por eles como quase imbativel.

"Em 1955" -falou Acapu, "fomos campeões com um time quase imbatível. O time titular era: Sarará, Nonato, Marinei. Maneca, Satiro e Muniz. Acapu, China, Stanislau, Teixeirinha e Juvenil. Fomos campeões invictos, o China foi o artilheiro e tambem o Melhor jogador", disse um Acapu um pouco saudosista, mas orgulhoso pelo bonito passado cuzmaltino.

O escriba muito feliz publica esta postagem sobre os eternos ídolos cruzmaltinos. E torce para que apareçam outros ex-jogadores de nossa Lusa, que serão como Acapu, Chininha, Sarará e Maneca, homenageados por este Blog.







Postar um comentário