29 agosto 2013

Invasão na Curuzu

Nao,nao era dia de jogo. Nao invadiram as arquibancadas para apoiares seu time na relva.
200 para uns, 300 para outros. Números irrelevantes para o tamanho da atitude.
Arrombaram os portões e chegaram a estar frente a frente com todo o elenco.
O Tecnico Arturzinho e jogadores foram literalmente colocados contra a parede. As cobranças pelo fraco rendimento da equipe chegaram diretamente aos ouvidos de todos os jogadores. Se vão ou nao , provocar um eco, sao outros quinhentos..
Nos Países Baixos ( pelas bandas de Sao Paulo) isso ocorre com uma freqüência absoluta. E como tudo de ruim que se produz pelas organizadas dos Países Baixos,principalmente as curintianas. Sempre tendem a serem replicadas no futebol paraense.
Os valores dessa cobranças estao totalmente errados. Na Curuzu nao houveram atos violentos, mas foi feita uma excessoao perigosa. Nao foi a primeira.
Uma coisa ficou clara. Nao somente lá por baixo- Curintia- como no Paysandu as organizadas tem obtidos um "passe livre" para esse tipo de manifestacao.
Postar um comentário