12 julho 2014

Quando o mimimi vira arma - F1 British GP 2014 - Silverstone - Alonso vs Vettel

Com os senhores a F1, pq somente chutadores, não vira,neh

Do Blog do Ico/ Total Race
Foi o duelo mais eletrizante do ano. Durante mais de dez voltas, Fernando Alonso e Sebastian Vettel usaram cada centímetro do traçado de Silverstone - e alguns fora dele - numa disputa empolgante. Infelizmente, o que ficou do episódio foi a choradeira de ambos pelo rádio. Mas algo é preciso relativizar: o quanto foi choro, o quanto foi malandragem?
Não me lembro em qual corrida foi, há alguns anos, mas na entrevista ao final dela perguntei a Rubens Barrichello sobre as reclamações que havia feito pelo rádio contra o comportamento de outro piloto numa disputa. Ele estava sendo sujo? “Não, estava sendo duro. Mas vai que os comissários entram na minha. Todo mundo faz isso”, me respondeu o piloto.
Todo mundo. Os pilotos sabem que os comissários de prova estão ouvindo tudo o que eles falam e buscam usar isso a seu proveito. Sebastian Vettel especialmente. No GP do Japão do ano passado, quando precisava recuperar tempo para fazer sua estratégia funcionar, o alemão reclamou acintosamente pelo rádio de um retardatário que o estaria atrapalhando. Na terceira vez, se referiu diretamente ao chefão dos comissários Charlie Whiting. “Charlie, tira ele da frente, isto não é justo”. Funcionou.
Voltemos a Silverstone. O primeiro rádio que ouvimos veio na volta 37 - lembrando que ele não aparece em tempo real. Vettel parece reclamar da espalhada que Alonso deu na Brooklands, quando o alemão tentou passá-lo por fora. “Ele não pode fazer isso! Eu teria batido nele!”
Alonso retruca na volta seguinte e começa a tocar na tecla dos limites da pista, primeiro em italianglês (“Track limits a tutti”, volta 38), depois, para a FIA ouvir, em inglês (Track limits! - na volta 38 - amplificado na sequência pelo engenheiro Andrea Stella: “Entendido. Limite de pista para todos incluindo o carro atrás de você).
Vettel retruca na volta 42. “De novo. Então é limite de pista, Alonso. Foi para fora de novo”. Stella não desiste na volta 44. “Estamos reportando limite de pista para a direção de prova”. Vettel entra na brincadeira nas duas voltas seguintes, como se estivesse contando as escapadas de novo. “E outra, e outra, e outra...”
Vettel conclui a ultrapassagem, mas no rádio transmitido na volta 48 aparece com uma reclamação mais acintosa para mais uma espalhada do espanhol na Brooklands. “Ele fez a mesma coisa de novo! Ele não pode fazer isso! Se eu não saio do caminho, ele ia me fazer voar para fora da pista!”
Ultrapassado, Alonso tenta uma última cartada. “Ele consegue (entrar na zona de ativação do) DRS graças ao limite de pista da última curva. Aí ele consegue usar o DRS na curva 5 e na 9! O que eu posso fazer?”. Depois emenda: “Preciso receber a posição de volta imediatamente”.
Encerrada a prova, desci correndo para ouvir os dois. Imaginei que estariam soltando fogo pelas ventas. Alonso, tranquilo, se resumiu a dizer que “Não sei se Vettel foi além do aceitável. Na volta que ele me passou, saiu fora dos limites de pista 3 ou 4 vezes. Mas se não fosse naquela volta, me passaria na seguinte porque estávamos lento demais. Não vale a pena qualquer reclamação porque éramos lento demais”.
Vettel foi mais direto. Classificou a disputa como dura, mas respeitosa. E confirmou que entrou no “joguinho” de reclamar dos limites de pista porque Alonso também não respeitava o traçado - vendo um resumo da corrida ontem, deu para ver que diversos pilotos escapavam ligeiramente do traçado, especialmente depois da última curva.
“Foi apertado. Acho que nós dois temos muito respeito um pelo outro. Sei que Fernando é duro nas disputas, às vezes duro demais. O joguinho com a história dos limites de pista foi consciente porque eu tinha sido avisado que ele estava reclamando. Foi emocionante, uma distração por algumas voltas, mas no final eu consegui ganhar a posição”, resumiu o alemão da Red Bull.
A atitude dos dois fora do carro foi frontalmente distinta da que tiveram pelo rádio. Me lembrei na hora do que Barrichello havia dito anos atrás. Competitivos que são, tenho certeza que Vettel e Alonso estavam usando, além do talento que possuem, esta arma do rádio para ver se conseguiam algum tipo de vantagem numa disputa equilibrada. Infelizmente, é uma arma que o próprio sistema de funcionamento da F-1 permite.
Apreciemos o mimimi com moderação. S
Postar um comentário