30 novembro 2009

Robgol quer ser presidente


Foto: Mário Quadros

O deputado Robgol tem o apoio de muitos tocedores do Papão
Ídolo da Fiel bicolor, o deputado estadual José Robson do Nascimento, mais conhecido como Robgol, concedeu entrevista ao Bola para falar sobre um dos assuntos que mais gosta, futebol, e mais especificamente sobre o Paysandu, clube em que se consagrou e onde conta até hoje com o prestígio da torcida. Nessa entrevista, ele fala da intenção de se candidatar ao cargo de presidente do Paysandu e o que pensa sobre a gestão do futebol no clube.

Bola - O Paysandu tem vivido polêmicas nos últimos dias, como o deputado avalia a atual gestão do clube?

Robgol - A gestão atual está um pouco amadora. As pessoas que estão hoje à frente do futebol, que é o carro-chefe do clube, não conhecem de futebol e isso tem prejudicado muito o Paysandu, com essas contratações equivocadas e muita gente chegando sem qualidade.

Bola - O presidente Luiz Omar tem constantemente rebatido os que o criticam, dizendo que nenhum destes teria disposição para se tornar presidente do Papão. O senhor aceitaria ser candidato à presidência do clube?

Robgol - Sim, tenho essa pretensão. E acho que se conseguir assumir a presidência do clube vai ser bem mais organizado e melhor do que essa administração. Dentro da presidência do clube temos que ter pessoas que realmente tenham afinidade com o futebol, que é o nosso caso. Cito como exemplo o Roberto (Dinamite) que assumiu a presidência do Vasco, é um grande conhecedor do futebol e está fazendo uma boa administração. Eu acho que é questão de organizar e planejar pra fazer uma boa gestão, e o Paysandu tá precisando disso. Inclusive, até hoje, se o Luiz Omar renunciasse, eu assumiria.

Bola - Ainda tem esperanças de ver o placar inaugurado no Leônidas Castro?

Robgol - O placar já foi inaugurado. Aquela polêmica toda da semana passada, em que eu fiquei chateado com presidente, é porque que eles tinham marcado aquele jogo comigo em Bujaru. Tínhamos acertado tudo, data, valores e depois quando a prefeita veio pra assinar o contrato eles falaram que não sabiam de nada e que o presidente não havia acertado jogo nenhum. Então não foi nem o placar. Se existe um acordo a gente tem que cumprir. O placar já foi doado, foi com recursos próprios, atendendo uma sugestão de um torcedor que me mandou uma mensagem pelo Orkut. Eles falam muito em emenda, verba pública...

Bola - E quanto à emenda da verba que o senhor arrumou para o clube, o presidente disse que o senhor quer criar um fato político, pois está em plena campanha para a reeleição e que prestará contas do que foi feito. Disse ainda que o senhor não fez mais que obrigação. O que o senhor tem a dizer sobre isso?

Robgol - Ele (Luiz Omar) me procurou no começo do ano de 2009, e naquela época não era tempo de campanha política. Ele queria essa emenda e até agora não prestou conta. O que fiz pelo Paysandu é uma forma de agradecimento e vou continuar fazendo mais. Eu sou um político que veste a camisa do Paysandu, pois foi sua torcida que me elegeu, então nada melhor do que estar contribuindo sempre com o Papão.

Bola - Que recado o senhor gostaria de dar para a Fiel bicolor?

Robgol - Que acreditem sempre. É claro que as coisas não andam bem organizadas, mas há de chegar o dia, um homem que coloque a casa em ordem para que a gente consiga botar o Paysandu na primeira divisão, de onde nunca deveria ter saído.

Bola - E para o Luiz Omar?

Robgol - Que eu me candidato. Fora isso, é o último ano do Luiz Omar. Espero que o atual presidente possa fazer um bom trabalho, bote a cabeça no lugar e possa levar o clube à Série B. (Diário do Pará)
Postar um comentário