20 outubro 2011

Paysandu aceita cadeiras do Atlético-PR em negociação envolvendo Thyago Potiguar

No passado a troca acontecia por chuteiras..bolas. O Paysandu vai inovar o sistema. eu hein!

ADRIANO WILKSON
COLABORAÇÃO PARA A FOLHAonline


 Seduzido por cadeiras usadas da Arena da Baixada, o Paysandu finalmente aceitou negociar um dos craques de seu elenco, o meia Thiago Potiguar, 26, com o Atlético-PR.
O objetivo do clube de Belém é pôr as cadeiras em seu próprio estádio, a Curuzu. Como a Arena da Baixada será usada no Mundial de 2014, o time paranaense terá que trocá-las por assentos mais modernos por exigência da Fifa.
Divulgação Paysandu Sport Club
Thiago Potiguar posa para foto
Thiago Potiguar posa para foto
O clube rubro-negro ainda não decidiu o futuro das cadeiras antigas, mas admite negociá-las com outros times.
Apesar de negar a troca direta do jogador pelos assentos usados, o presidente do Paysandu afirma que seu interesse neles terá grande peso na negociação de Potiguar.


"Não é que o Paysandu vai trocar o jogador só por cadeiras", diz Luiz Omar Pinheiro. "Existe o interesse do Atlético no jogador, e nós temos interesse nas cadeiras. Com base nisso, podemos começar uma negociação", afirma.
O namoro dos paranaenses com o habilidoso Thiago Potiguar já dura um ano. Mesmo atuando no Pará, o meia chamou a atenção de cartolas do Sul por sua facilidade de drible e sua velocidade, técnicas que lhe renderam o status de ídolo em Belém.


Mas o Atlético, que está na zona de rebaixamento da Série A, só vai falar oficialmente sobre reforços no fim do ano. Segundo o clube, seu estádio será fechado para reformas no dia 10 de dezembro.Uma das primeiras ações a partir daí deve ser a remoção das cadeiras, para que as obras não as danifiquem.
"Não teríamos condições de comprar cadeiras novas, precisamos de dinheiro e modernizar nosso estádio", disse o presidente do Paysandu. Por ser o estádio mais antigo de Belém, a Curuzu, que foi erguida em 1918, é chamada de "o estádio vovô da cidade".
Caso consiga ficar com as cadeiras do Atlético, o Paysandu ainda precisará pintá-las, já que suas cores oficiais são o azul e o branco.


ALTOS E BAIXOS
Com seus 26 anos, Thiago Potiguar tem uma carreira marcada por sucessos e fracassos. Em 2010, ele defendia o modeste Potyguar, de Currais Novos (RN), quando enfrentou o Paysandu pela Copa do Brasil e encantou o presidente rival Luiz Omar Pinheiro.
Dias depois, estava contratado pelo clube paraense. Muito habilidoso e veloz, não demorou para cair nas graças da torcida bicolor, como são conhecidos os admiradores do time alviazul.
O sucesso fez com que ele fosse transferido por empréstimo, no final do ano passado, para o futebol asiático, onde não se adaptou. Meses depois, estava de volta à capital paraense como um dos principais nomes para a Série C do Brasileiro.
Mas o meia não conseguiu manter a regularidade de boas atuações e frustou uma parte da torcida. Atualmente, ele briga para chegar ao time titular. A reportagem tentou entrar em contato com seu procurador, mas não obteve sucesso.
O Paysandu é vice-líder de seu grupo na Série C. Para tentar o acesso, contratou ontem o técnico Andrade, campeão nacional com o Flamengo em 2009. O próximo desafio é contra o Rio Branco-AC, no Mangueirão, arena estadual que onde o clube tem mandado seus jogos. 
Postar um comentário