15 novembro 2011

O drible nosso de cada dia



Quem nas áureas épocas de moleque ,nunca tentou imprimir uma fuga das palmadas ou outros acertos da maezinha. ela vindo furiosa e certa de que iria acertar e em um milésimo de segundos, ver o seu alvo escapulir de forma travessa. Ai se foi mais um drible, se torcida houvesse , com certeza ela iria a loucura.

O drible ao longo de nossas vidas se faz presente em tudo e em todas as coisas que nos cercam. no futebol quando ele acontecem , o ingresso muitas vezes salgado para o evento acaba compensado pelo trangressor de relva.

o drible muitas vezes tem um castigo nada merecido, a habilidade as vezes acaba parando nas vingativas  jogadas desleais de gente sem nenhuma habilidade e com nenhum senso.

Poderíamos  passar noites seguidas discutindo e lembrando de dribles desconsertantes e de seus autores.

O meu driblador preferido e para mim o precursor dessa alegria, se chama Garrincha. Todos sabiam que ele estava ali para esculhachar ,e seus adversários na noite anterior se preparavam para evitar suas jogadas conhecidas mas dificieis de serem paradas.

Os Joões de hoje nao diferem muito dos da época de Garrincha. Mas e os dribladores :::hoje ,são cada vez mais caçados dentro e fora do relvado, existe uma certa raiva que se prega contra os caras habilidosos, seja por uma parte da midia  ou pelos Joões.

O dia em que o drible sumir, acaba todo o sonho. O drible faz parte do grande show da bola sem ele as bancadas perdem a razao de suas existências. Para nos brasileiros ,pingado sempre vai ser um pingado, ja os os cappucinos . bahh para eles.

Ver um moleque correndo no rumo do onibus e se livrando de tudo a sua frente, Drible!

Correr atrás da pipa e sem tirar os olhos do alvo que se encontra no ar e em zigue -zague, Drible!

Passar trinta dias com menos de quinhentas Dilma$ no bolso, Drible!

Votar em candidatos, quase sempre ensaboados, Drible!

Há dribles em varias formas e com efeitos diversos. em alguns casos sao meticulosamente planejados e outros simplesmente nascem da mais eterna pureza.

Onde quer que esteja pode ter certeza que um cara de pernas tortas e com uma gaiola nas maos deve estar infantilmente sorrindo de suas travessuras e a de seus discípulos.

Viva o Drible!

Quanto aos maus dribladores que polpuam os malditos planaltos, temos que  para-los . Cacete , neles!

Postar um comentário