24 janeiro 2011

Porque Hay Cosas que Nunca se Olvidan

Dois anos sem disputar nada, nenhuma competição importante na relva faz qualquer babaca desavisado pensar que para nos, já era! e' ai que eles se atrapalham, a Tuna e' muito mais que um clube de futebol, não vive as custas de dinheiro publico e pagou caro com seus propios erros.
 
Foram dois longos anos com a camiseta na goma, bandeiras e fraques no plástico somente esperando a hora da volta e ela aconteceu.
 
o arranque aconteceu fora de casa, jogando em Maraba contra o Águia Marabaense empatou em uma bola com os donos da casa, que hoje tem maior visibilidade e mais patacas nos cofres, mas contra o peso da camisa e da tradição a conversa muda.
 

Não fosse o assoprador e a Tuna teria saído vitoriosa, o cara virou o rosto para um penal legitimo.
 
Domingo o jogo será no Souza, dentro de  casa e com certeza a peia vira para cima do Castanhal .
 
As gargantas cruzmaltinas se multiplicarão, as bandeiras serão devidamentes esticadas e como torcedor tunante tem sempre sobras, pode ter certeza que as brejas devidamente geladas irão rolar.
 
Nesses dias esquecemos tudo para pensarmos somente em uma coisa, na cruz de malta do Norte.
 
Aos secadores que acham que podem aos vómitos acabar com mais de 100 anos do maior time do mundo, que se amontoem ao redor de seus quiosques e chupem..chupem..
 
Os grandes gols estão de volta, as unhas serão devidamente serradas na boca, o alambrado vai tremer  novamente e o martelo vai sair do cabo.
 
 Porque Hay Cosas que Nunca se Olvidan, NUNCA!


Como diria o "seo" Joao, torcedor simbolo da Tuna luso:
 
"A diferença entre um drogado e um torcedor da Tuna é que o drogado até tem uma chance de se curar enquanto que o torcedor da Tuna vai morrer tunante"

 

Postar um comentário