16 janeiro 2011

Fé na base



Fé na base - Lusa quer retomar fabricação de talentos para repetir conquistas do passado
Disposta a reassumir a condição de terceira força do futebol local - ocupada pelo Águia, de Marabá -, a Tuna encara a fase principal do Paraense, na qual estreia dia 22, em Marabá, como a chance de sair de vez do ostracismo em que vive há dois anos. Tempo que o time ficou de fora da disputa entre as principais equipes do estado. O primeiro passo parece ter sido dado com a conquista da etapa inicial da competição. Para alcançar o objetivo, os cruzmaltinos se inspiram na rica história do clube, crivada de feitos memoráveis, entre eles a conquista de dois Brasileiros, dez estaduais e a revelação de grandes craques.



A Lusa foi o primeiro clube paraense a levantar um título nacional: a Taça de Prata de 1985, equivalente a Série B. Em 1992, um novo título, desta vez da Terceira Divisão, como era chamada a Série C. A final foi contra o Fluminense/BA em um jogo de fortes emoções, com a Lusa marcando o gol da vitória (3 a 1) nos últimos minutos. A final de 85 foi disputada em um triangular envolvendo Figueirense/SC, Goytacaz e, claro, a Lusa. Logo nas primeiras rodadas, a equipe paraense disparou, com duas vitórias. O último jogo, contra o Goytacaz, serviu apenas para cumprimento de tabela.

A Lusa, que já teve três nomes - primeiro Tuna Luso Caixeiral, depois Comercial e, finalmente, Brasileira -, conta em sua galeria de títulos com dez estaduais. A maioria deles conquistada nas década de 30 e 50, três títulos, cada. Uma época de ouro do futebol tunante, que contava com craques da estirpe de Sarará, Juvenil, China, entre outros. Em 55 o time levantou o supercampeonato, com uma campanha irretocável: 13 vitórias, três empates e nenhuma derrota. De quebra, ainda teve Estanislau o artilheiro do campeonato, com 22 gols e Sarará o goleiro menos vazado, com 15 tentos.do Portal ORM
Postar um comentário